Janaína Brás

Então o anjo disse-lhe: "Mulher, tua religião é selvagem, tua oração é o abismo."

GUARDANAPO ESQUECIDO DENTRO DUM BORGES

“Como todos los hombres de Babilonia, he sido procónsul; como todos, esclavo; también he conocido la omnipotencia, el opribio, las cárceles”

La Lotería en Babilonia, Borges

Trem para Florença

Trem para Florença

Eu lembro que saí de casa fugida de tudo o que não fosse eu – tentativa crua de perscrutar, adivinhar de mim. Longe das varandas onde (me) consolo e me mostro. Sem uma rede, Santa Bárbara, em que esticar os ossinhos depois do almoço! E o mais: longe do mar. Nesse vazio de ondas, eu fazendo oferendas à chuva e desfilando vestidos coloridos por debaixo do casaco cinza. Mas vim. Porque queria provar-me o gosto verdadeiro e porque desejava caminhar.

De início, o hábito me fazia sentir culpa por essa fuga, como se eu fosse menor por necessitar da estrada. Talvez o orgulho infantil me fizesse desejar ser independente de tudo, até do desejo de independência. Então eu me diminuía por sentir tanta inquietude, por estar sempre envolta de tantos desejos.

Depois desta última viagem de trem pela Itália, é com mais leveza que admito que penso melhor em movimento, por isso se fez necessário vir até aqui e chorar por todo o inverno, pra perceber que a melhor primavera é a que eu carrego dentro. Agora que os dias são quentes, eu vejo um ciclo se fechar e não consigo imaginar como poderia ter sido melhor.

Anúncios

Filed under: enquanto caminhava, , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

apresentações

Fico calada em eventos sociais e falo pelos cotovelos em varandas e cafés. Gosto de estar no meio da gente e perco tempo na vida dos outros, depois abro meus cadernos e escrevo. Penso na estrada 24 horas por dia. Sou de lá como quem está sempre a caminho.

Minha memória parece ter sido feita para ouvir e reter histórias. É como construo minha própria emoção diante do mundo, através do ouvido absoluto às vozes dos outros. A educação formal que persigo é consequência dessa multidão dentro de mim - as borboletas do meu estômago.

Portanto, por ora, sou graduada em jornalismo pela Universidade Federal do Ceará e mestranda em Economia Política Internacional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mas venha com música, literatura e um sentimento de mundo aqui pra casa, e teremos assunto pra muitos anos.

%d blogueiros gostam disto: