Janaína Brás

Então o anjo disse-lhe: "Mulher, tua religião é selvagem, tua oração é o abismo."

DE MEDO E MOVIMENTO

Eros e Psique

Eros e Psique

“…

E, se bem que seja obscuro
Tudo pela estrada fora,
E falso, ele vem seguro,
E vencendo estrada e muro,
Chega onde em sono ela mora,

E, inda tonto do que houvera,
À cabeça, em maresia,
Ergue a mão, e encontra hera,
E vê que ele mesmo era
A Princesa que dormia.”

Eros e Psique, Fernando Pessoa

Tenho medo as 24 horas do dia. Ele me acelera. Dá conta dos meus movimentos, impulsiona as minhas idéias. Meu medo é um baque solto no peito, veneno anticonformação.

Tenho medo as 24 horas do dia, não estou sozinha. Ele me dita aos gritos o que repito em voz baixa: no trabalho, nos bares, no meio da rua. Meu medinho é meu motor. É ele o responsável pela intempestividade com que me mostro.

Olha! Lá vou eu mais uma vez, atravessar as pontes levadiças da timidez.

Tenho medo as 24 horas do dia. A vida não é sopa de mamãe, os jogos sociais não são porrinha com amigos e eu não sou nenhuma personagem heroína de quadrinhos. Tenho medo. E quando tomo consciência da fragilidade que encerro, rezo:

Que a sociedade seja antes minha irmã que minhas rédeas.
Que mulheres e homens sejam antes companheiros que adversários.
Que o mundo seja, a cada dia, mais e mais imenso.
E que os meus olhos queiram sempre mais horizonte do que as janelas podem oferecer.

Anúncios

Filed under: dos meus plurais, , , , ,

One Response

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

apresentações

Fico calada em eventos sociais e falo pelos cotovelos em varandas e cafés. Gosto de estar no meio da gente e perco tempo na vida dos outros, depois abro meus cadernos e escrevo. Penso na estrada 24 horas por dia. Sou de lá como quem está sempre a caminho.

Minha memória parece ter sido feita para ouvir e reter histórias. É como construo minha própria emoção diante do mundo, através do ouvido absoluto às vozes dos outros. A educação formal que persigo é consequência dessa multidão dentro de mim - as borboletas do meu estômago.

Portanto, por ora, sou graduada em jornalismo pela Universidade Federal do Ceará e mestranda em Economia Política Internacional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mas venha com música, literatura e um sentimento de mundo aqui pra casa, e teremos assunto pra muitos anos.

%d blogueiros gostam disto: