Janaína Brás

Então o anjo disse-lhe: "Mulher, tua religião é selvagem, tua oração é o abismo."

A PASSAGEM DO TEMPO ANDARILHA


Continuo com a vista perdida no horizonte,
As caminhadas tagarelas, os fones altíssimos,
As saudades do futuro, as questões de várias respostas
E os sentimentos mutantes.
 
Continuo e os contos e as comidinhas leves
E os filmes estranhos e os amigos viajantes
E o pulso apaixonado de mundo.
 
Continuo. O poço de emoções ferventes. A labareda.
Crio raízes aéreas? Descubro de mim? Traço rotas?
Faço silêncio. Olho o sol. Convivo. Está tudo, e queima.

Anúncios

Filed under: dos meus plurais,

FAKE IT TILL YOU MAKE IT


Mas nós, os fingidores, I’m afraid,
Entregamos todo o ouro ao bandido
Na essência mesma dos detalhes.

Filed under: dos meus plurais,

SONHOS, SONHOS SÃO


[meu subconsciente sabe como me acertar o medo em cheio, esse puto]

mi mujer desnuda – dalí

 

Estava sentada no chão da sala. Não tinha montado a mobília, não era a dona da casa, mas a conhecia de tempo e tinha me adaptado à condição de visita. Um casal de crianças brincava na minha frente com roupas de cores elementares e cortes retos. Eu apontava a câmera fotográfica na direção delas.

Através da lente, a imagem dos meninos era granulada, e me dava prazer essa versão antiga do tempo presente. Tirei um pouco do zoom. Um casal de amigos, pais das crianças, sorria. Ela de trança longa, sentada no sofá, olhava o companheiro, que estava de pé, inclinado sobre ela.

Eu sorri também. E fiz a fotografia: a brincadeira das crianças ao lado do companheirismo dos pais. Depois vi a imagem revelada: minha figura contemplativa, por detrás da máquina, sobreposta feito marca d’água à cena.

Filed under: dos meus plurais, , ,

apresentações

Fico calada em eventos sociais e falo pelos cotovelos em varandas e cafés. Gosto de estar no meio da gente e perco tempo na vida dos outros, depois abro meus cadernos e escrevo. Penso na estrada 24 horas por dia. Sou de lá como quem está sempre a caminho.

Minha memória parece ter sido feita para ouvir e reter histórias. É como construo minha própria emoção diante do mundo, através do ouvido absoluto às vozes dos outros. A educação formal que persigo é consequência dessa multidão dentro de mim - as borboletas do meu estômago.

Portanto, por ora, sou graduada em jornalismo pela Universidade Federal do Ceará e mestranda em Economia Política Internacional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mas venha com música, literatura e um sentimento de mundo aqui pra casa, e teremos assunto pra muitos anos.